domingo, 14 de julho de 2013

Pernas para andar



Matej Peljhan é um fotógrafo esloveno que fez a série Le Petit Prince, sobre um garoto de 12 anos, chamado Luka, que retrata nas fotos coisas que ele gostaria de fazer na vida real. Luka tem uma distrofia muscular(engloba um grupo doenças genéticas, que se caracterizam por uma degeneração do tecido muscular), que faz com que o portador dessa doença enfraqueça progressivamente os músculos e ossos, e consequentemente perde alguns movimentos.

O menino só consegue movimentar os dedos para operar sua cadeira de rodas elétrica e desenhar, mas nessa sessão(série) de fotos, Luka consegue, através do projeto, ser retratado mergulhando, dançando, jogando basket e afins. Achei interessante e muito fofo, afinal mistura minhas três paixões: medicina, criança e fotografia; e gostaria de compartilhar isso com vocês! Confiram as fotos:







sábado, 13 de julho de 2013

Escrito em um papel manchado


Eu já não altero mais os fatos, fico longe de contatos para não perder a minha direção. Independente do conforto, vou além do que  acredito, daqui para a imensidão. Há quem não acredite nos meus anseios, faça pouco caso do meu desejo, mesmo assim me defendo: Estar no meu ponto de partida que parece um beco sem saída, com medo, ninguém quer estar então. Faço dos meus pensamentos profecias, se de bons grados me monto, em tua frente me quebro para que me consertes como sabes. Mas você procura em outros braços, laços que já não desfaço, que tu sabes que a dona deste teu doce aconchego sou eu. Me faz de moradia, vem passar comigo um dia que eu te mostro o tempo que perdeu.



Reclama do meu pouco jeito de ser o teu sossego, mas recordas do nosso segredo, que eu fiz para ser selado, entre tantos outros amanhãs, este aqui permanece guardado. Talvez tenha razão da minha humilde gratidão, é que eu precisava de cuidados e só você permaneceu ao meu lado. Entre madrugadas a dentro, eu demonstrei o meu sentimento, que tu soubestes reconhecer. Talvez não seja tudo aquilo, que um dia se fez parecer, mas te digo: Maior prova do que eu sinto, só se for morrer por você.


Não estranhe o meu diálogo, nem as loucuras do meu vocabulário, aprendi em meios aos livros que li e me encantei. Mas garanto que entre tantos contos e estórias, a que mais me encanta é a minha com você. Pode desacreditar, mas não há força maior sobre as minhas palavras. Se esperasses coisas melhor, sinto muito, só tens a mim, e estou à tua graça. Perdoe os meus desatentos, é que ainda não compreendo os milagres dessa vida. Se muito dela já sofri, me acostumei, e acabei não sentindo a ferida.

Já cresci e aqui estou, talvez sendo o teu eterno amor. Se não acreditas no que digo, aqui tenho um conselho: Nada como o tempo para achar o que foi perdido.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Oculto a olho nu

De segredos em segredos, se constrói uma mentira, um sofrimento. É difícil lidar com algo que você tenta esconder de tudo e todos, principalmente quando é algo que não diz respeito a ninguém e todo mundo resolve te perguntar sobre. Não adianta negar, todos tem algo que prefere não revelar, seja bom ou ruim. E acredito que muitas vezes seja melhor assim!

A inveja rodeia a todos, e raramente sabemos em quem confiar, sendo assim, fica difícil escrever para alguém na dúvida se outra pessoa vai ler. Também é muito duvidoso pensar se a pessoa com a qual você compartilhou um segredo, uma tristeza ou até uma alegria, vai te apoiar verdadeiramente ou só vai esperar o momento de virar cobra e injetar o veneno. Tem gente que não sabe crescer sozinha, digo, sem precisar jogar alguém na cova. Não pode ver o brilho do outro que logo já quer virar um Sol, ser o centro de tudo, a energia maior. Não denomino tais atitudes como 'crescer', mas como 'sugar'. Sugar a felicidade, a bondade e a fé que ainda tenho na humanidade. Sugar o que resta do meu psicológico na esperança de um dia ver o mundo ser um lugar melhor. Eu não sei lidar, na verdade, eu não sei aguentar.

 Eu gosto de intimidade, respeito e consideração, e definitivamente, sair contando o segredo dos outros, fazendo piada com a dor/desgraça alheia e causando tumulto no que não lhe diz respeito, não é um ato de coragem, mas de covardia. Covarde é quem usa os outros como escada para subir na vida, covarde é quem tem medo da verdade, quem se esconde entre as sombras e os postes da rua, quem foge de alguma situação porque não quer encarar a realidade.

Essa história de 'antes um covarde vivo do que um herói morto' não cola pra mim, isso é egoísmo! Antes você ver a desgraça de alguém do que a sua? Antes você ser esperto do que fazer tudo de coração? As pessoas já se acostumaram em agir de má fé, em só olhar para si mesmas, em crer que a dor que elas sentem é maior do que qualquer outra dor. Tenho uma notícia pra te dar: Há dores maiores do que a que você sente. Há pessoas que passam fome, há pessoas que morrem para que outras vivam, há também as mães que tiram de si para dar aos filhos. E seja lá qual for a dor que você passa, não é a primeira vez que você chora e se desmonta. Não seja o reflexo do seu passado, mas sim o foco do seu futuro. Só te peço: Não seja mais o covarde que um dia você foi...

Talvez você não tenha sido a melhor pessoa do mundo, mas também não pode ser a pior. Me poupe do seu drama, do seu egoísmo e da sua mentira. Eu não caio mais nessa! Você põe os seus problemas em primeiro lugar, e esquece que não tem o que se preocupar, não tem o que pensar ou matutar a madrugada inteira pensando no que fazer. Sem atitude ninguém vai a lugar algum, e eu aprendi que a melhor coisa a se fazer é tentar esquecer, e assim seguir. Se os ventos não sopram a favor, vá contra! Os peixes precisam ir contra a maré para sobreviverem, e aí? Você é mais forte do que pensa e será mais feliz do que acredita. Só mude, tome atitude e cresça. Ninguém traça caminhos olhando para trás.

No meu interior há coisas que ninguém imagina, e estou aqui. Às vezes inconformada, às vezes meio perturbada. Mas sempre aqui ou ali, nunca sumi enfim. É só saber me procurar. É só saber me desvendar. É só saber me olhar. Só saber enxergar o que eu deixo oculto a olho nu. Cria coragem e vem! Vem antes que alguém deixe de ser covarde também...

terça-feira, 9 de julho de 2013

Além do que eu já caminhei...

Às vezes paro e penso o quanto nessa vida eu já andei, e como consegui chegar até aqui. É assustador pensar que uma menina que logo vai completar 17 anos já caminhou mais do que muitas mulheres de 30 por aí. Nunca fui de me gabar, mas aproveito muito bem minhas qualidades e faço questão de viver a festa da vitória quando passo por uma luta incansável, porém nunca para humilhar alguém, mas para exaltar os que me ajudaram. Não gosto de caminhar sozinha, mas em alguns momentos são necessários soltar as mãos de quem nos dá conforto e segurança, e aprender a ser sua própria luz, seu próprio guia. Tem dias que eu não aguento ninguém na minha cola, ninguém me mandando ou opinando o que eu devo fazer ou não, mas confesso que um pouco dessa atenção e interesse que demonstram me cativa, se não for tão exagerado assim... 

Me considero mais moleca do que menina, mas também tem dias em que me sinto mais mulher do que garota, e não tente entender. Apenas tenho um desejo insaciável  de crescer e evoluir, e não é tão fácil conviver com esse sentimento já que sou o tipo de pessoa que espera, mas prefere as coisas para ontem! Sei que não é fácil lidar comigo por essa questão, mas acredito que antes aprender a evoluir comigo do que ficar numa mesmice sem fim.

Fui criada para sempre caminhar de acordo com os meus pensamentos e no que eu acredito, e se vai além do que o mundo me dita, eu quero que o mundo se dane. Eu sigo e crio o meu caminho, abro espaço pra minha trilha e quem quiser vir comigo, eu dou a mão e ensino a caminhar, mas não estou aqui para empurrar ninguém, caminha quem quer! É cansativo, exaustivo e às vezes dá vontade de voltar pra casa, mas nada me tira da cabeça que as metas que eu faço para o meu futuro, só eu posso traçar e alcançar, afinal, é do meu futuro que se trata, e eu não troco esse direito por nada.

Reconheço que nem todo mundo tem a oportunidade de caminhar por onde tem vontade ou por onde tanto sonha, e é por isso que valorizo o direito que eu tenho de fazer as minhas escolhas, meus vínculos e aonde eu aceito chegar e sair. Cada um tem os seus limites e eu pouco conheço sobre os meus, mas sou daquelas que só acredita vendo, caso contrário fico com o pé atrás sempre e vou até onde eu sentir que posso chegar, ou até além. Talvez isso seja um defeito, mas vejo como uma qualidade. É tão difícil encontrar pessoas com fé no futuro, com perseverança naquilo que realmente sonham e que no primeiro obstáculo já acha que chegou no fim da linha e é aquilo mesmo, acabou. Essas pessoas não merecem o melhor da vida pois tem medo dela, medo de viver. Afinal, você vive ou sobrevive? 

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Sobre superar e esquecer...

Há tempos que venho tentando escrever sobre isso, mas palavras(e tão possivelmente um dom) para relatar em papéis ou em um computador sobre o que eu realmente quero falar. Acredito que a maioria das pessoas passam por momentos difíceis e de querer desistir de tudo, mas eu sempre acabo por enxergar um futuro, mesmo que distante, que me dê fé e um pouquinho de vontade de viver mais. Também creio que os desastres da vida não nos fazem cair para ficarmos acorrentados à uma dor e ali nos desgastarmos, mas sim que caímos para podermos aprender a levantar e segurar firme na próxima lombada.

Talvez muitos não acreditem ou talvez não viveram isso o que estou dizendo, mas pago para ver quem nesses anos em que a humanidade não vive e reluta contra a dor, até muda o jeito de viver, o caminho que anda para não trombar com alguma desgraça do cotidiano. É só ligar a Tv para logo dar de cara com algo que muda o nosso pensamento sobre aquele dia. Não é assim que eu quero viver, ou talvez não é assim que eu me imagino ser. Utilizo essas tragédias como lições de vida, como um aviso, mas não como uma forma de medo, mas uma forma de superar e dizer "Eu posso passar por isso, mas prefiro prevenir!". Se a desgraça tá feita, não ouse se jogar numa cova e se enterrar com ela. Saiba tomar conta da sua vida e crie um rumo para superar.

Seres humanos são animais racionais, porém inúmeras vezes me pergunto se utilizamos a nossa razão para motivos realmente grandiosos, e, também sei que muitos pensam como eu. É difícil estar convicta de que nós mudamos e transformamos o mundo, mas não conseguimos superar algo que nos atormenta toda vez que escutamos nome de fulano, uma frase, que sentimos um perfume. Somos frágeis, inteligentes, mas tão estúpidos ao mesmo tempo. Eu aprendi que nada é em vão, tudo acontece por algum motivo, e precisamos usar nossas experiências a nosso favor. Precisamos aprender a esquecer, a superar, mas cada um tem uma maneira de pensar e agir. Eu aprendi da forma mais difícil, aquela em que você cansa de seguir, e começa a abrir caminho. Penso ser melhor assim, quando eu comando as minhas ideias e as minhas vontade. Aprendi a superar assim e ando muito bem, obrigada. E você, já superou?