sábado, 17 de agosto de 2013

Let it go

Vim fazer um desabafo, num papel meio amassado. Não se preocupe, não te enviarei. Em alguns minutos, ou horas. Talvez dias, meses... Ele estará apagado, e enfim será queimado, para esquecer cada dor que eu já sofri.

Acordei em um dia ensolarado me sentindo cinza. Acordei querendo gritar, mas ao mesmo tempo, ficar em silêncio. Acordei sem noção, andei na contramão e isso para mim não fez a menor diferença. Tudo mudou desde que eu deixei uma parte de mim ir. Nunca fui de me entregar, e certamente, a você não exitei. Talvez em um jardim, de mãos dadas, eu tinha esperança de nos encontrar. Parece que não jeito, e que, para todo efeito, não há mais o que esperar. Te deixei ir, e me fui também. Mal sabia eu, que parte de mim, contigo ficaria.

O que fazer com um coração destroçado, sem nenhum sentido, e função? Se perdeu na escuridão, e não encontrou um guia de volta. Esse guia era você. E afinal, cadê você? Deixei recados na tua porta, ligações na tua Caixa Postal, mas acredito que não tenha se dado ao trabalho de me procurar. Não tem mais o que dizer, a gente se entregou à um abismo, e nos perdemos lá. Nos perdemos de nós.

♡ postcards and polaroids ♡ | via Tumblr
Meu coração não é receptor, ele não cumprimenta qualquer um, não se abala por qualquer coisa, muito menos se entrega com facilidade.  Eu não sei se errei, acredito que não. Valeu a pena, mas sentimento nem sempre é suficiente né? Aprendi isso chorando de saudade. Deve haver algo que eu desconheço, uma parte tua que eu não mereço, e por isso deixei ir. Deve ter algum segredo, algum detalhe, que por falta de atenção eu esqueci. Deve ter tido algum dia que por causa da minha mania, em algum momento, te feri. Mas te peço desculpas, que por essas coisas malucas, em você eu me prendi.

Não me arrependo do nós, me arrependo do fim. Me arrependo dos dias que não fui feliz. Me arrependo disto, enfim. Mas vai passar, há de passar. Deixei ir, deixei voar... Espero voltar. Se o destino nos for a favor, ele irá nos juntar. Eu sei que está escrito, sempre esteve. Mudou, vai mudar. Não te culpo, não me culpo, são coisas que não podemos nos responsabilizar. Tudo tem um fim, e talvez essa seja a nossa hora. Ou não. Me prova que o lago não secou, e que ainda há chances. Me prova que o amor não acabou, e seja lá o que for, passou. Espero que passe...

"Whatever, let it go."

Nenhum comentário

Postar um comentário