sábado, 21 de setembro de 2013

Herói

Me sucumbi num quarto fechado, tênis desamarrado, rímel borrado e um tanto de cartas jogadas ao chão. Gritei aos Céus, pedindo perdão e me agarrei numa foto sua, que fez a ferida arder e um coração estraçalhar. Ouvi o som do estralo do meu peito que quase se chocou com as lágrimas escorrendo pelo rosto... Um baita impacto haveria. Sabe-se lá quem sobreviveria. Talvez um dia isso faça sentido, seja lá qual for a lição que a vida está tentando me ensinar, estou a aprender. Mesmo que lentamente, a cura está sendo formada.

A trilha sonora do meu pesadelo são suas promessas, jogadas ao vento, um tanto quanto ultrapassadas, mas sempre apaixonantes. Não entendo sua intenção, nem seu modo de falar. Um dia, tudo isso me encantou. Hoje, só me corrói. Já não ouço mais o som da sua risada, não sinto o teu perfume, e a solidão é minha companhia. Afinal, eis aqui uma pergunta incessante em minha mente: Valeu a pena deixar o tempo levar e carregar todas as lembranças que já foram o cotidiano? E seria, talvez, um coração partido, um crime ou suicídio? Poderia, você, então, ser condenado? Exilado? Tenho um apartamento em Cuba, se quiser conhecer... Mas esqueci que me desfiz de você e do seu mal querer.

.....
Dentre noites de tormenta, sem fim e amarguras, por um triz não foste além do meu pensar. O teu movimento me fez lembrar das épocas de alegria, que sorrir fazia parte do dia-a-dia, e penso comigo: Quando será que isso vai voltar? Será que ainda há chances de tudo se concertar? Você ainda tem fé em algum tipo de futuro a dois? E a quatro?

Ouço por aí que um herói pode nos salvar, mas não quero ficar aqui por esperar um alguém me libertar de uma prisão sem grades. Se o herói é o amor, talvez eu possa acreditar. Talvez tenha sentido, se entregar para algo que não se sabe onde vai chegar. Se é que vai chegar... Mas e se hoje for meu último dia? Me concederia um último beijo? Um último adeus? Esperaria o último sopro do vento tocar meu rosto e fazer balançar meus cabelos enquanto me imagino numa vida eterna ao lado teu? Seria possível recordar do meu número, do meu endereço, se eu te enviasse uma carta de socorro, com letras garrafais, enormes, te implorando que viesse me encontrar?

Esqueci que desfez os planos e aprontou as malas. Esqueci que o tempo passou e só permaneceram fotos rasgadas. Teu CD está guardado, se quiser buscar, a chave está onde sempre esteve. Se quiser ficar, nossa cama está reservada. Se quiser perdoar, estou a pedir perdão. Só me ouça, me acompanhe. Me faça um gesto, companhia. Me deseje todos os dias, pelo resto da sua vida. Me faça única, me deixe enfim, com o cheiro do teu perfume em mim. Fazes parte do meu ser, e não queres me deixar. Se me deixar, me deixe contigo, num abrigo infinito, num corredor claro, aconchegante como os teus braços.

Agora diz-me quem é o herói? Se sou eu, ou é você. Se é teu calor ou teu amor. Como podes salvar uma alma pecadora quando nem amor existe, se nem teu olhar persiste em se manter fixo ao meu. Não há mais o que fazer, se há mais fé neste ser que cogita uma vida inteira com você. Negação, sentimento errôneo. Infeliz arte de sofrer, que cria versos, faz canções, inventa medos e tira tetos e chãos. Deixa o sorriso e ganha as lágrimas. Deixa os risos e ganha os murmúrios. Deixa pra lá e a dor vem pra cá. Alguém tem que lidar. Infelizmente, esse herói não sou eu.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Euvoluindo

Me fechei. Aliás, me libertei. Entre todas as maldades e hipocrisias mundanas, resolvi me suceder a uma nova ordem: A minha. Tenho passado por momentos solitários, mas não numa tristeza profunda... Num pensamento objetivo e além do que o meu cotidiano estava acostumado. Cansei de ser só mais uma, de ser e agir como querem que eu aja. Não me ache rebelde sem causa ou apenas revoltada, só quero consertar o mundo, e para isso, preciso me consertar. Consertar o meu redor, o meu pensamento, minhas atitudes. Afinal, de que adianta abominar a mentira e fazer parte de uma?

Não me contento com pouco mas reconheço boas ações. Não me sinto apta a julgar algo ou alguém, mas tenho um gênio crítico, e acredito que sem críticas, nada muda. É disso que o mundo precisa. De mais verdades, coragens, arrependimentos, perdões, esquecimentos... É difícil passar por fases na vida e tentar seguir essas ‘regras’ ou até ‘formas de viver’, mas ficar remoendo o passado e seus erros não faz você crescer. Nem sempre é preciso errar para saber o que está certo, mas também nem sempre o erro é uma escolha. Na verdade, é sim. Mas e se soubéssemos todos os caminhos e as verdades da vida? O lado obscuro de cada alma perdida? A tentação de cada pecado cometido? E se tudo isso for apenas medo? A vida é baseada em escolhas, mas é impossível acertar sempre. Não existe guerra entre o seu cérebro e o coração, existe uma guerra entre o seu interesse e o interesse de outro alguém. 

Errar dá medo, assusta e assombra. Para escolher tem que haver sabedoria, mas às vezes, um bom jogo de cintura basta. Basta pesquisar uma forma de viver, uma forma de saber o que é melhor para você. Suas escolhas serão diferentes das minhas, e muito raramente, se coincidirão. Que graça teria a vida ‘novela’? Onde o roteiro é sempre o mesmo, só muda os personagens e a enrolação da história. De que adiantaria uma vida repleta de escolhas se você sempre soubesse quais são as corretas? Não seria livre arbítrio, seria ditadura. Não seria suspense, não seria drama. Não seria série, nem teria a última temporada. Seria um folheto de meia página com poucas linhas e palavras entrelaçadas, sem sentido, anunciando o comodismo de uma vida realista, e descrevendo o desespero de um momento imaginário.

Maturidade é algo que se constrói, que a vida impõem e cobra. É necessário ter para conseguir seguir em frente e ser alguém. É preciso crescer para enxergar a vida de outro nível. É questão de educação, de se respeitar e respeitar ao próximo. É aprender a valorizar aquilo que têm valor e a descartar aquilo que não quebra correntes. Tem que saber comandar a vida e deixar ela comandar você às vezes. Tudo muda, tudo segue, tudo vai, pouco fica. O jeito é saber lidar da melhor forma possível: Evoluindo. Quando eu evoluo, tudo evolui comigo.

Não seja só mais um, saiba evoluir sozinho, e evolua outras pessoas consigo. Não viva na mesmice de uma vida tola e ignorante, pois a eles resta a solidão de um mundo vazio e sem texturas. A vida é feita de cor vibrante, mas é uma arte abstrata, que só aprecia quem tem bom gosto por esta doce arte de viver constantemente em uma evolução infinita. Euvoluo, Tuvolues, Nósvoluimos.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Dignidade ponderada

Sei que não é novidade, mas o egoísmo e a sem vergonhice da raça humana é algo que me incomoda profundamente desde que me conheço por gente politicamente intelectual. Nunca também me espantou tal entendimento, apenas me surpreendo por saber do que isso que não pode ser chamado de ser humano, é capaz.

Cresci e lidei com inúmeros tipos de pessoas, das boazinhas até as mais podres, das riquinhas até as mais miseráveis. Aprendi por livre e espancada vontade de que companhia é você quem escolhe, não o lugar ou as expectativas. Devemos ter consciência de que nem todo mundo que pareça ser um bom hospede, pode morar no teu coração, na tua vida. A vida é uma alma, e ela nos cobra muito, e requer atenção e cuidado, coisa que está em falta. A alma é porta de entrada, um beco sem saída, onde tudo que entra, de qualquer forma, fica. Das lembranças boas até das memórias mais horripilantes e devastadoras. Elas ficam, e fazem questão de nos forçar a conviver com isso. Confesso que durante muito tempo eu não soube lidar com experiências que me destruíram sentimentalmente, mas hoje acredito e sei que a minha força de vontade está pronta para o combate.

(5) Tumblr
O problema é que esperamos demais, sonhamos demais, e muito raramente corremos atrás da verdade, de um caminho independente, de algo nosso, sabe? Só meu, e teu. Só nosso. De mais ninguém. É estranho como algumas pessoas tem a habilidade de ferir profundamente, em sã consciência, de livre e espontânea vontade. Apenas para divertimento, ou para assistir a dor do próximo de perto, ver a lágrima do outro rolar, o peito estraçalhar e apenas jogar rosas num caixão que nem lacrado fora, que não há corpo mais, apenas restos. Os psicopatas mirins da minha vida, estão ganhando diploma e doutorado de psiquiatras. O que antes eram bandidos, viraram heróis. Por ironia do destino? Imagina, eu lá acredito em destino... Por ironia dos ignorantes. As pessoas preferem fechar os olhos, viver na escuridão do que saber lidar e reconhecer a realidade de uma vida sem fantasias, na qual as feridas fazem parte de cada pedaço da alma, mas que mesmo com a dor latejando e sustentando cada arrepio do nosso corpo, o coração continua pulsando, por tempo indeterminado. Sem se dar conta das feridas, sem sentir a compressão das mesmas, dos medos e dos pesadelos. A função do coração é nos manter vivos, mas afim, apenas sobrevivendo.


Uma vez ou outra a gente para pra pensar em tudo o que já fez na vida, e se arrepende de algo. Às vezes, bate saudade. Às vezes, a gente apanha. Às vezes a gente ouve, mas raramente temos a oportunidade de nos pronunciarmos. Foram poucos os momentos que me senti confortável com todas as pessoas que estavam ao meu redor, porque sei e acredito que entre uma roda de dez amigos, cinco já agiram na maldade. Sei que até hoje tenho dificuldade de lidar com certas realidades cruéis da vida, mas nada que a minha caminhada já não tenha me ensinado. Já passei por muito, mas tenho conhecimento de que ainda não é o suficiente. A vida é muito mais que amores não correspondidos, falsidade entre ‘amigas’, foras, tristezas e doenças. A vida é fluxo, é seguir em frente, contra ou de acordo com a maré. Aí vai de cada um. Eu me responsabilizo pelo meu caminho, e neste mesmo, estou exposta a correr riscos e me machucar, nada que já não tenha acontecido. Mas também tenha noção de que o seu caminho foi você quem traçou, e será você quem vai lidar com o mesmo, agora e no futuro. Saiba escolher, não seja hipócrita e não seja egoísta. A vida tem um preço chamado tempo, e este tem uma conta conosco com um valor impagável. Aproveite-o antes que seu cartão chegue ao limite e os juros sejam caros demais para o seu cheque especial. Temos uma divida eterna com a própria vida, e a nossa obrigação é fazê-la valer a pena, de forma digna e humana. De forma consciente. Aprenda a jogar o jogo da vida.

"Que o rio corre sozinho e não pode apressar que o resto vai fluir!"
Pentágono