quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Sonhos que a tua imaginação jamais imaginou


(73) models | Tumblr
Eu almejo mais que dinheiro e status, prefiro o meu prazer saciado e um orgulho dos meus bons tratos. Quero mais do que o mundo ou do que tua proposta pode me dar, quero a liberdade de poder sentir e voar para onde eu bem entender. Quero notar e anotar números e nomes, faces e pessoas, que um dia, possam voltar. EU QUERO MAIS DO QUE VOCÊ JAMAIS DESEJOU PRA MIM!

Admito que o meu bom senso não é o melhor de todos, mas é algo que me mantém sã. Sorrisos e abraços me conquistam mais do que “um aquário no bolso e o carro da moda” que eles têm. Admito que meu jeito é errôneo, opiniões diversificadas, mas todos os meus erros tiveram motivos. Todas as minhas lágrimas foram mais que palavras que você sugou da minha boca. A falta de fôlego foi muito mais do que meu cansaço de ouvir tuas frases ensaiadas todos os dias, justificando pecados e falsidades, medos e mentiras entrelaçadas numa verdade fictícia.

Como consegues dormir à noite? Se todos os teus sofrimentos você fez questão de causar em um outro alguém, na esperança da tua ferida sarar? Se todos os teus medos se tornaram coragens para uns, e você se apoderou de almas inocentes? Se todo sorriso que você avistava, fazia questão de arrancá-los à força, de forma com que fossem todos teus? Se toda a tua vida foi voltada para uma falsa realidade, de um mundo mágico que você criou e que SÓ VOCÊ VIVE NELE? O mundo que ninguém quer fazer parte, que todos fogem, que todos enojam. Quem é você agora para falar de compaixão e de oportunidades, se todas as vezes que alguém errou, você crucificou. Se todas as palavras já ditas por alguém, você anotou no teu livrinho patético com uma capa adolescente, tentando fazer com que alguma pessoa acreditasse nos teus seminários cansativos e clichês.

Quem é você que agora já não se encontra e não enxerga, que vive se culpando mas mostra a cara maquiada como quem nunca teve uma insônia por preocupação? Tua hora é agora, de se revelar e observar se VOCÊ AGUENTA A TUA VERDADE. Da tua vida jamais voltar a fazer parte, sem promessas e esperanças. De distância nossa história está repleta, mas eu digo: Que história? A que você inventou? Porque eu não faço parte da tua brincadeira, do teu conto de fadas. Eu não sou uma personagem criada por um autor psicopata e nem por serial killer. Eu não sou quem você quer que eu seja, pois sei, que sou bem mais que você jamais foi! Sou o teu sonho perdido, teu desejo não realizado, teu pecado que almeja ser saciado, tua vontade que a preguiça não venceu. Sou os olhos que você queria enxergar, sou a muralha que você queria pular e o brinquedo que você gostaria de ter altura o suficiente para brincar. Sou quem você sonhou tanto, em sonhar.

sábado, 19 de outubro de 2013

Eu esperei


Not Only Photos Set10
O sofrimento se tornou visível a olho nu, nada mais complexo e escondido. Meu medo se despiu na tua frente e na frente da plateia. Poucos aplaudiram e quase todos choraram comigo. Um choro agonizante, de quem se vê no fim dos seus dias, de quem se sente só e perdido. Um medo anormal que nunca mais me perdoei. Talvez não fosse a nossa hora, o nosso momento. Talvez agora já teria passado a oportunidade e a gente nem viu.

Cada lágrima derramada era uma gota que contemplava a grandeza do oceano e o vazio do meu sentir, que se tornou solitário e embutido em palavras pequenas e cheias de acentos. Não era isso que eu queria sentir, não era isso que eu planejava. Mas foi assim, e será assim. Entre nós não há mais chances, certo? Não há saída, apenas um abismo que nos separa e nos mostra o fim. Seria melhor assim?

O inverno é agora a estação do meu viver, mas logo o Sol aparece, eu espero. É que eu esperei demais e não obtive respostas. É que a cada oração, o teu nome fazia parte dos meus pedidos, mas nas tuas preces eu jamais fui lembrada. É que em cada batida do meu coração, você impulsionava, mas do teu, eu nem fazia efeito. O teu sorriso era a minha anestesia, o meu era indiferente para o teu viver. Eu nunca esperei por isso, mas a vida ensina quando somos teimosos né? Eu insisti. Em você, em mim. Em nós. Eu insisti porque cria que daria certo, que um dia isso seria só uma fase, hoje enxergo que seria uma vida inteira assim.

Eu esperei você fazer parte da minha dança, mas você mal sentiu vontade de ouvir a minha música, quem dirá seguir os passos. Esperei tua atitude sobre as promessas, mas só esperei mesmo. Esperei horas para que você chegasse, mas sempre algo te atrapalhava não? Esperei um olhar, um abraço, três palavras e um sorriso. Obtive palavras, mas não as que você disse que um dia, soletraria para mim. Deixa de desculpas e assume cada erro, cada descaso, porque hoje eu aceito com mais facilidade que nós não nascemos para terminarmos juntos, nem começarmos. O meu paraíso se transformou num inferno e o culpado não foi o acaso, nem o destino. Fomos nós. Fui eu. Me permiti sofrer por algo que, no fundo, eu sabia que jamais iria dar certo.

Aprendi que nem tudo que o coração diz faz sentido, e nem tudo que ele pede é o melhor. Aprendi na dor e no sofrimento. Aprendi chorando e clamando o teu nome. Ontem ouvia tua voz ao telefone, hoje ouço a voz da caixa postal. Eu esperei mais do que você esperaria. Eu esperei mais do que deveria. E no fim disso tudo, eu continuo esperando. Mas dessa vez, esperando... Que passe!

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Web Serie: O Segredo

Marina tinha um medo que só ela sentia, mas nunca soube explicar. Entre tantos acontecimentos em sua vida, sua voz preferiu se calar, e sempre foi assim, até então. Viva numa devasta escuridão, o vazio tomava conta de seu coração enquanto o fone no ouvido e um caderno na mão, dava a ela uma inspiração que jamais tivera... Entre palavras e suspiros, escrever é o maior dom que possuía, e sem charmes e carências, enfrentava o mundo de peito blindado como quem não quer nada, mas esperava por tudo. Talvez um passado doloroso e frágil, a fez agir assim.

indie girl | via Tumblr
Dos seus segredos, jamais souberam. Como quem houvesse cometido um suicídio e engolido seu segredo. Talvez isso seria uma boa ideia, talvez não. Mas pelas circunstâncias, ela sabia que era forte o suficiente para superar seus pesadelos passados sem a ajuda de ninguém. Seus medos diziam respeito apenas a ela, mais ninguém. Isso a fazia uma barreira invencível. Entre tantas que queriam atenção, ela preferia a falta de observação, que talvez a entregaria. Nos olhares ela se perdia, se confundia e se entregava. De corpo e alma, ela se entrelaçava com olhares diretos e se deixava levar a uma correnteza forte, mas logo jogaria a âncora.

Mesmo voando alto, Mari sempre manteve os pés no chão. Sem força, com leveza, levou a vida de acordo com a paixão e um pingo de razão. Se machucou, se rendeu, se perdeu. Caiu e levantou. Abandonou e acolheu. Se destacava na multidão com seu gênio forte e pulso firme. Nunca deixou seus problemas a abalarem... Nunca fora de se fazer por coitada quando largada ou desrespeitada. O que ela passou, poucos passaram, mas a coragem que ela possuía, era algo resplandecido. Seu jeito de ser nunca mudou, apenas evoluiu. Fechada, mas quando necessário, não poupava palavras e não tinha papas na língua.

Descreviam e observavam a menina que passava despercebida entre a multidão vazia que domina o centro da cidade. Mudava as coisas por onde passava, se achava diferente, talvez considerasse a hipótese de um ser angelical; mas de anjo, pouco restava. Acreditava na mudança das pessoas e enxergava sempre o lado bom, mesmo que a vista fosse péssima, era preciso enxergar um arco-íris através da tempestade. Diante de seres robotizados, pessoas aglutinadas e hipocrisia dominante, resolveu ser mais que aquilo, mais do que diziam e ouviam. Resolveu agir diferente do que a sociedade espera que uma garota com aquele segredo agisse. Mas o segredo? Ah, este... Só Marina sabe.