sábado, 19 de outubro de 2013

Eu esperei


Not Only Photos Set10
O sofrimento se tornou visível a olho nu, nada mais complexo e escondido. Meu medo se despiu na tua frente e na frente da plateia. Poucos aplaudiram e quase todos choraram comigo. Um choro agonizante, de quem se vê no fim dos seus dias, de quem se sente só e perdido. Um medo anormal que nunca mais me perdoei. Talvez não fosse a nossa hora, o nosso momento. Talvez agora já teria passado a oportunidade e a gente nem viu.

Cada lágrima derramada era uma gota que contemplava a grandeza do oceano e o vazio do meu sentir, que se tornou solitário e embutido em palavras pequenas e cheias de acentos. Não era isso que eu queria sentir, não era isso que eu planejava. Mas foi assim, e será assim. Entre nós não há mais chances, certo? Não há saída, apenas um abismo que nos separa e nos mostra o fim. Seria melhor assim?

O inverno é agora a estação do meu viver, mas logo o Sol aparece, eu espero. É que eu esperei demais e não obtive respostas. É que a cada oração, o teu nome fazia parte dos meus pedidos, mas nas tuas preces eu jamais fui lembrada. É que em cada batida do meu coração, você impulsionava, mas do teu, eu nem fazia efeito. O teu sorriso era a minha anestesia, o meu era indiferente para o teu viver. Eu nunca esperei por isso, mas a vida ensina quando somos teimosos né? Eu insisti. Em você, em mim. Em nós. Eu insisti porque cria que daria certo, que um dia isso seria só uma fase, hoje enxergo que seria uma vida inteira assim.

Eu esperei você fazer parte da minha dança, mas você mal sentiu vontade de ouvir a minha música, quem dirá seguir os passos. Esperei tua atitude sobre as promessas, mas só esperei mesmo. Esperei horas para que você chegasse, mas sempre algo te atrapalhava não? Esperei um olhar, um abraço, três palavras e um sorriso. Obtive palavras, mas não as que você disse que um dia, soletraria para mim. Deixa de desculpas e assume cada erro, cada descaso, porque hoje eu aceito com mais facilidade que nós não nascemos para terminarmos juntos, nem começarmos. O meu paraíso se transformou num inferno e o culpado não foi o acaso, nem o destino. Fomos nós. Fui eu. Me permiti sofrer por algo que, no fundo, eu sabia que jamais iria dar certo.

Aprendi que nem tudo que o coração diz faz sentido, e nem tudo que ele pede é o melhor. Aprendi na dor e no sofrimento. Aprendi chorando e clamando o teu nome. Ontem ouvia tua voz ao telefone, hoje ouço a voz da caixa postal. Eu esperei mais do que você esperaria. Eu esperei mais do que deveria. E no fim disso tudo, eu continuo esperando. Mas dessa vez, esperando... Que passe!

Nenhum comentário

Postar um comentário