sábado, 7 de dezembro de 2013

"O Segredo": Caminho que o amor conduz

Dont let me go
Quarta-feira de abril, fim de tarde, rua deserta. Armadilha total para quem foge do mal. No caminho de casa, encontrara um homem alto, jovem, uns 26 anos de idade. Bonito, bem vestido e não aparentava má impressão. Conquistou-a, amor platônico, momentâneo, como aqueles que vivemos no ônibus. Queria ela saber contornar a vida, dar-lhe cores, pintar seus caminhos. Olharam-se e conversaram. Marina acabara de completar 18 anos, não via problemas no envolvimento. Logo saíram e encontraram-se durante dias e dias, e não demorou muito para o primeiro beijo acontecer.

Apesar de pouco tempo de convivência, sentiam-se íntimos e melhores amigos, mas queriam mais que isso e deixaram claro.  O rapaz chamava-se Murilo, mas seu nome era substituído por apelidos carinhosos. Futuro engenheiro, um bom rapaz, trabalhador. Gostos um pouco diferentes, mas nada muito extraordinário. Viam-se os convites de casamento com letras douradas em alto-relevo “M&M”. O amor estava oficialmente no ar e não era premeditado acabar, seria o cumprimento do "para sempre", das promessas, das vontades e desejos. De querer um ao outro, renovar a paixão e lembrar-se todos os dias o porquê se apaixonaram. Assim começou sua nova chance: Marina encontrou um novo porto seguro. 

Foi então que a questão de oficializar o relacionamento fora citada, e cobrada. Murilo visitou os pais de Marina, e se deram bem, de fato, mas a diferença de idade os impediu de aceitar. O pedido foi negado. Algo era cobrado, e seria impossível cumprir: arranjar alguém da idade dela. Afinal, ela não queria mais ninguém, nem imaginou-se sem o dito cujo e dificilmente o deixaria assim, por um pedido ou até uma obrigação. Amor não escolhe, se vive, e eles queriam viver. A decisão seria tomada, mas só havia duas opções: lutar ou deixar. A escolha foi clara e direta, não iriam desistir. Não era tão fácil assim, mas estavam certos de que este não seria o fim.

Este texto é o capítulo três da Web Série "O Segredo", para conferir o capítulo anterior clique aqui.

Nenhum comentário

Postar um comentário